Prof. Pai Ronie de Ogum Onire Adiokô
Ilê Ogum Adiokô e Oya Tofã


 


CULTO A ANCESTRALIDADE

Ògbèri Nko Mo Màrìwò"

(O não iniciado não pode conhecer o mistério do Màrìwò

Um dos pilares do batuque do Rio Grande do Sul, é o culto aos ancestrais. Cultuar os ancestrais é manter vivo o axé de nossos antepassados e aumentar o axé do terreiro.

Quando cultuamos o ancestral, não estamos cultuando um espaço para feitiços ou para fazer o mal. Culto ao Egun, é o culto a nossa raiz, ao início de tudo, ao início de nosso axé.

Egun deve ser tratado com muito respeito, cuidado e carinho, da mesma forma que você trata seus Orixás.

Alguns Pais de Santo pouco esclarecidos (mas que se acham donos da verdade), utilizam o culto a Egun como mera ferramenta para realizar feitiços para seus clientes ou mesmo contra seus filhos de santo, que não estão mais em suas casas.

O espaço sagrado aos ancestrais deve ser um lugar limpo, com o mesmo cuidado do peji (quarto de santo). Em nossa raiz oyo-jeje, antes de realizar-se obrigação aos Orixás, deve ser realizada obrigação a Egun.

A casa dos ancestrais deve ficar sempre nos fundos do terreiro onde não devem participar pessoas não iniciadas, devido a energia e força do local.

Poucos Babalorixás e Yalorixás conhecem os ritos específicos ao culto dos ancestrais, e estes costumam manter segredos destas obrigações. Não estamos aqui discutindo o mérito e os motivos que levam muitos Pais de Santo a fazerem isso, mas com certeza por medirem as consequências de seus atos, por saberem que alguns utilizaram este conhecimento de forma inadequada, deturpando a religião.

Para os yorubas, a vida não se encerra com a morte, que é uma passagem para um outro plano. Para que ocorra esta passagem é realizado o ritual do axexê, criado pelo Orixá Oya para homenagear os ancestrais. Oya é a responsável pela transferência do plano do aye para Orum.

Ver também: Axé para cortar aos ancestrais

 

 

É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site, sem autorização por escrito - A apropriação indevida é crime.

* Texto escrito por Pai Ronie de Ogum , não autorizada a publicação em outros meios. Publicado em 16/04/2012 Revisado em 16/06/15

 Lei de Direito Autoral nº 9.610, de 19 de fevereiro de 1998. 

Ilê Orixá -2011 - Designer Pai Ronie Ogum Onire