O MERCADO

 

Dentro de nossa tradição religiosa sempre que existe obrigação onde são assentados orixás ou onde são cortadas aves ou 4 pé nos orixás já assentados é distribuído mercado ao final aos visistantes. O mercado é um axé que serve para distribuir uma parte da obrigação religiosa aos que visitaram a festa.

Antes de iniciar a obrigação os pacotes, caixas ou ainda sacolas com os mercados são montados e colocados em local de fácil acesso para a distribuição aos visitantes. Sendo um axé de orixá com parte da obbrigação que foi cortada no quarto de santo é necessário repensar o que se faz com mercado, pois não adianta pegar mercado se logo na saída colocar fora, é como colocar no lixo o axé de um orixá.

Ser de religião africana implica em enxergarmos além de nossos olhos, não se pode apenas olhar como todos, é preciso olhar com o coração e com a pureza de uma criança.

O mercado é antes de tudo um axé de prosperidade, de fartura, onde são distribuídos axés dos orixás. Quem leva o mercado está levando o axé da casa para sua casa, e quem distribui o mercado está ampliando o axé de sua casa. A religião africana sempre pensa na coletividade, na ajuda mútua, na preservação da vida e união entre todos. Quem não pensa religião desta maneira precisa mudar.

Para Tacques (2008, p. 115) " os mercados são pacotes onde se colocam as comidas-de-santo para serem ofertados aos convidados simbolizando a distribuição e a extensão do axé de prosperidade, fartura e fraternidade a todos os ares e Ilê visitantes."

Não se pode confundir o mercado da obrigação com frutas, bolos e flores que a comunidade de religião distribui ao final de suas obrigações religiosas, que por muitos também é chamado de mercado.

Orixá é fartura, e quanto mais distribuímos mais recebemos, mas não se pode por causa disso pensar que orixá é troca, porque não é. A religião dos orixás é sustentada pela fé, pela conduta correta e pela humildade, que de forma nenhuma pode ser confundida aquele que simplesmente quer pagar para fazer algo, não se compra o orixá e também não se compra a fé.

 

REFERÊNCIA

TACQUES, Ivoni Aguiar. Ilê -Ifé: de onde viemos - Porto Alegre: Artha, 2008.

 

Tweetar

Comunidade Ilê orixá realiza saudação ao Orixá Bará / A decoração do quarto de santo / Pai Ronie faz entrega de axés de Obé /

Fé devoção e respeito na chamada aos Orixás / Dezenas de amigos prestigiaram os 10 anos de Ogum Adioko

Apresentação dos filhos de obrigação / Espaço externo decorado

É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site, sem autorização por escrito - Ilê Orixá -2011 - 2016 - Designer Ronie Ogum Onire

Publicado em 04/01/2016

 Lei de Direito Autoral nº 9.610, de 19 de fevereiro de 1998.