Saudação ao Orixá Bará

Antes de se iniciar um Xirê é necessário se saudar primeiramente o Orixá Bará, que é o mensageiro e o intermediador entre os homens e os Orixás. Nada é possível ser realizado se antes do Orixá Bará não for servido.

Por muitas características que este Orixá possui é considerado o mais próximo dos homens e o mais parecido. Bará não é o mal, e também não é oposição a Deus. E também não é manifestação do Diabo Cristão. Bará é a energia em movimento, é o início de tudo.

É uma divindade africana que carrega consigo o segredo para abrir todas as portas que estiverem fechadas, e também de fechar as portas para aqueles que não apresentam merecimento.

Para saudar o Orixá Bará foram utilizadas duas bacias de pipoca que serviram para abrir o ritual no cruzeiro e realziar um chuveiro de pipoca em todos que estavam presentes no local.

A pipoca representa abertura, representa luz, a luz que se abre na imensidão da escuridão. Quando se saúda o Bará se percebe que o local se ilumina, como muita energia no local.

Na abertura do Batuque em Homenagem ao Orixá Ogum, Bará foi saudado no cruzeiro próximo ao Ilê, por Pai Ronie de Ogum e Pai Alexandre de Oya, que acompanhados de amigos, convidados e filhos do axé, saudaram o Orixá Bará, antes do início da obrigação, para apenas agradecer pelo aniversário da casa, pela obrigação de alguns filhos, por tudo que foi realizado durante o ano, por todas as conquitas e realzações.

Bará é o início de tudo, e recebeu de olodumare o direito de ser saudado em primeiro lugar.

 

 

 

 

É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site, sem autorização por escrito - A apropriação indevida é crime.

* Texto escrito por Pai Ronie de Ogum , não autorizada a publicação em outros meios. Publicado em 05/11/2012

 Lei de Direito Autoral nº 9.610, de 19 de fevereiro de 1998. 

Ilê Orixá -2011 - Designer Pai Ronie Ogum Onire