A roda para a festa em Homenngem ao Orixá Oya Tofã

Òwe Yorùbá: Abẹ́rẹ́ tó bá lókùn n'ìdí kì í sọnù
 Uma agulha presa na linha nunca se perde.


É na roda que sentimos a força de um axé, pois é onde cada um expressa seus sentimentos, suas alegrias e também é onde nossa fé pode ser enaltecida. É mostrar para fora de nosso terreiro quanto bela é nossa religião, quanto somos unidos em prol de um objetivo primordial, o de saudar os Orixás.


No último dia 13 de dezembro a comunidade do terreiro Ilê Orixá se reuniu para comemorar os 7 anos de assentamento do Orixá Oya Tofã de Pai Alexandre, que foi iniciado em 2007.

Na tradição batuqueira do Rio Grande do Sul, dançamos em roda para fechar um círculo de energia e os Orixás ficam no centro desta roda. Na dança formada na roda representa-se movimentos que contam alguns dos mitos dos Orixás, em um momento de intensa emoção e alegria que somente quem participa pode explicar.

A religião africana nos permite sentir o sagrado, ter contato com ele, e não somente acreditar, com ela pode-se viver o sagrado. E para viver e sentir o sagrado essencialmente é apenas  necessário se entregar de corpo e alma na fé aos Orixás, fazer sempre o certo e sempre estar pronto para ajudar os irmãos do axé.

Religião é união, amor, fé e respeito, e a roda em um batuque representa isso, união de todos, com muito amor e fé nos Orixás.































Tweetar

Publicado em 10/02/2015