Mesa de Ibeji – 14 anos de Ogum Adioko

Máà jékì a kù Ikù airotélé,

(Não deixe acontecer a morte imprevista)

Dia 19 de outubro foi a data para reunir dezenas de crianças que encheram as dependências do Ilê Orixá, para Mesa de Ibeji, referente as comemorações dos 14 anos de Ogum Adioko e obrigação de filhos.

O Ilê orixá teve sua primeira festa aberta uma Mesa de Ibeji, que já na primeira mesa reuniu muitas crianças dentro do axé, marcando desde o início a presença do Ilê na comunidade local. Nesta obrigação foram dezenas de crianças, que o espaço do salão não conseguiu acomodar, sendo necessário que muitas ficassem ao lado e na frente, a maioria do bairro Novo Mundo, Vila Rica e demais comunidades próximas ao axé, o que demonstra a plena inserção do axé na comunidade.

Na Fortaleza Ilê Orixá todas as crianças são sempre servidas com as mesmas comidas, doces e frutas, após o rito no salão dos orixás, pois todos somos iguais e desta forma não é certo servir apenas as crianças que participam da mesa. Após a mesa as crianças todas também receberam muitos doces que estavam no quarto de santo para serem distribuídos a todas.

Uma mesa de Ibeji é sempre um axé de saúde, de paz, de harmonia, de prosperidade e de crescimento, pois Ibeji representa isso é orixá da vida, da saúde, orixá que representa a inocência de todas as crianças, a brincadeira o início de tudo, está presente no dia e na noite, no feio e no belo, está em cada sorriso de uma criança e também está no seu choro, pois Ibeji é o orixá ligado a dualidade da vida, por isso não se pode considerá-lo de menor importância.

Assim como uma criança que luta para conquistar o que quer, que insiste, mesmo com todos os adultos dizendo não, Ibeji é o orixá que não desiste, é o orixá que está sempre disposto a brigar e lutar pelo que quer, pelo que deseja, é a própria vida em abundância, saúde e prosperidade, pois Ibeji está ligado a conquistar sempre o que quer.

Pai Ronie de Ogum Adioko
Sobre Pai Ronie de Ogum Adioko 671 artigos
Licenciado em Matemática (Uniasselvi), Graduando em Química (UNIP), especialista em Mídias para educação (UFRGS), especialista em história e Cultura Afro (Uniasselvi). É babalorixá no Ilê Orixá, escritor, professor e estudioso da religião de matriz africana.

Seja o primeiro a comentar