Algumas visitas durante de mesa de Ibeji no Ilê de Oxum

Não se faz religião sozinho, sempre se precisa de alguém, seja para servir, seja para auxiliar, na mesa de Ibeji que inaugurou o Ilê Orixá Oxum Epandá Dioni e Oxum Docô, mãe Fabiana de Oxum e Marcela de Oxum não convidaram outras casas de axé para visitarem, mas a mesa foi aberta para a comunidade local que encheu a casa de amigos.  E foram muitas as crianças e amigos que passaram pela obrigação, deixando cada um abraços, sorrisos e o sentimento de alegria contagiante.

Um axé se fortifica com visitas de amigos, clientes e filhos pois a razão de ser de um orixá é sempre de transmitir seu axé, e se não existir para quem transmitir o axé não tem por que o orixá vir ao mundo. Cada um de nós é sempre responsável por fazer que o axé de nosso orixá seja sempre expandido.

Pai Alexandre de Oya e Pai Ronie de Ogum agradecem a todos que abrilhantaram a mesa de Ibeji de Mãe Fabiana de Oxum e Marcela e desejam que o axé de toda obrigação esteja na casa de cada um. Axé a todos!

Pai Ronie de Ogum Adioko
Sobre Pai Ronie de Ogum Adioko 574 artigos
Licenciado em Matemática (Uniasselvi), Graduando em Química (UNIP), especialista em Mídias para educação (UFRGS), especialista em história e Cultura Afro (Uniasselvi). É babalorixá no Ilê Orixá, escritor, professor e estudioso da religião de matriz africana.

Seja o primeiro a comentar