Um pouco da dança na roda

Fotos: Pai Ronie de Ogum

Todos juntos ao som do sagrado, todos juntos em um mesmo local, unidos pela fé nos orixás e em nossos ancestrais. Dançar em uma roda é experimentar momentos de alegria, de paz, de reflexão e também de crescimento.

Estar na roda é viver uma parte da religião dos orixás, é estar em sintonia com irmãos da mesma fé e em conjunto com os orixás, e essa foi a energia sentida e vivida no último dia 13 e abril, data de comemoração dos 12 anos de Oya Tofã de Pai Alexandre, e também da obrigação de seus filhos.

Ao dançar os orixás contam o seu mito, parte de sua história, os seres humanos repetem alguns dos gestos ensinados pelos orixás, e assim humanos e orixás em um mesmo plano físico. A religião africana é mágica e fantástica, principalmente por nos permitir que tenhamos contato direto com o sagrado.

Que a magia e a força dos orixás sentida em cada gesto e em cada movimento realizado durante a dança realizada no último dia 13 de abril seja para enaltecer o que existe de melhor em cada um, levando bastante clareza, paz, saúde e alegria na vida de todos

Sobre Pai Ronie de Ogum Adioko 784 artigos
Licenciado em Matemática (Uniasselvi), Graduando em Química (UNIP), especialista em Mídias para educação (UFRGS), especialista em história e Cultura Afro (Uniasselvi). É babalorixá no Ilê Orixá, escritor, professor e estudioso da religião de matriz africana.

Seja o primeiro a comentar