Antes de iniciar é preciso saudar Bará

Oríkì fún Èsù

Èsù òta Òrìsà.
Osétùrá ni oruko bàbá mò ó.
Alágogo Ìjà ni orúko ìyá npè é,
Èsù Òdàrà, omokùnrin Ìdólófin,
O lé sónsó sí orí esè elésè
Kò je, kò jé kí eni nje gbé mì,
A kìì lówó láì mú ti Èsù kúrò,
A kìì lóyò láì mú ti Èsù kúrò,
Asòntún se òsì láì ní ítijú,
Èsù àpáta sómo olómo lénu,
O fi okúta dípò iyò.
Lóògemo òrun, a nla kálù,
Pàápa-wàrá, a túká máse sà,
Èsù máse mí, omo elòmíràn ni o se.

Oríkì para Exú

Èsù, o orixás da pedra.
Osétùrá é o nome pelo qual você é chamado por seu pai.
Alágogo Ìjà é o nome pelo qual você é chamado por sua mãe.
Èsù Òdàrà, o homem forte de ìdólófin,
Èsù, que senta no pé dos outros.
Que não come e não permite a quem está comendo que engula o alimento.
Quem tem dinheiro, reserva para Èsù a sua parte,
Quem tem felicidade, reserva para a Èsù sua parte.
Èsù, que joga nos dois times sem constrangimento.
Èsù, que faz uma pessoa falar coisas que não deseja.
Èsù, que usa pedra em vez de sal.
Èsù, o indulgente filho de Deus, cuja grandeza se manifesta em toda parte.
Èsù, apressado, inesperado, que quebra em fragmentos que não
se poderá juntar novamente,
Èsù, não me manipule, manipule outra pessoa.

O dia 13 de dezembro foi a data para prestigiar o orixá regente de 2020 e encerrar o ano religioso de 2019, mas antes do toque aos orixás foi realizada a reverência ao orixá Bará, orixá responsável pela abertura, pelas portas que se abrem quando são necessárias.

O orixá Bará é o detentor do privilégio de ser sempre servido antes de todos os demais orixás, e por isso nenhuma obrigação religiosa pode ser iniciada antes de Exú Bará estar servido, mas é claro que não adianta servir por ser servir, é necessário carinho, respeito e amor. É necessário fazer de coração o que Exú quer, da melhor forma que se puder fazer.

Que o axé de Exú esteja sempre ao lado de cada um possibilitando caminhos de muita prosperidade, alegrias, conquistas e saúde

Pai Ronie de Ogum Adioko
Sobre Pai Ronie de Ogum Adioko 708 artigos
Licenciado em Matemática (Uniasselvi), Graduando em Química (UNIP), especialista em Mídias para educação (UFRGS), especialista em história e Cultura Afro (Uniasselvi). É babalorixá no Ilê Orixá, escritor, professor e estudioso da religião de matriz africana.

Seja o primeiro a comentar