Pai Ronie de Ogum realiza seu bori

orí recebe todas as honrarias que recebe um Òrìṣà, embora claro, sejam honrarias de feição individual e, desse modo, sem o impacto coletivo dos deuses populares. Ademais, o orí é considerado ainda intermediário entre o sujeito e os Òrìṣàs, o veículo pelo qual as divindades interagem com os humanos. (DIAS, 2013)

Fotos: Érica de Oya

Foi realizado por Pai Ronie de Ogum Adioko o seu bori de 4 pé no último dia 16 de julho, com a presença de alguns filhos do axé e Pai Alexandre de Oya Tofã, na mesma ocasião foi lavada a cabeça de Gabriel de Ogum, que entrou para o axé, tendo realizado a levantação neste domingo, dia 19 de julho.

Pai Ronie de Ogum corta para seu ori desde o ano de 2011, data que a Fortaleza Ilê Orixá foi fundada, e hoje continua a seguir o que aprendeu desde sua primeira obrigação, mas agora com uma grande família religiosa, formada por seus filhos, filhos de Pai Alexandre e muitos netos seus e de Pai Alexandre.

O bori marca o início da obrigação de Ogum Adioko, e é a obrigação que alimenta o ori de Pai Ronie, que alimenta seu ori todos os anos no mês de julho, para no mês de outubro realizar a obrigação de seus orixás e obrigação de seus filhos.

Ao fazer obrigação para ori fortalecemos nosso compromisso com a religiosidade africana, com nossos ancestrais, com nosso ori interior. O orixá ori é o mais importante, pois enquanto os demais orixás representam a coletividade ori é nosso orixá pessoal, nossa individualidade.

Que o axé da obrigação seja de saúde para todos os filhos, os netos e amigos do axé, levando a cada dia mais crescimento e prosperidade para todos que fazem parte da Fortaleza Ilê Orixá.

Fonte: DIAS, João Ferreira. Belo Horizonte, v. 11, n. 29, p. 70-87, jan./mar. 2013 – ISSN 2175-5841

Sobre Pai Ronie de Ogum Adioko 784 artigos
Licenciado em Matemática (Uniasselvi), Graduando em Química (UNIP), especialista em Mídias para educação (UFRGS), especialista em história e Cultura Afro (Uniasselvi). É babalorixá no Ilê Orixá, escritor, professor e estudioso da religião de matriz africana.

Seja o primeiro a comentar